BLOG

Acompanhe dicas de saúde, nutrição e bem-estar em nosso Blog.

Câncer

sono-cancer-importancia.jpg

setembro 28, 2021 Câncer0

Sono de qualidade promove inúmeros benefícios para a saúde. No entanto,  noites mal dormidas e cansaço ao longo do dia são queixas comuns dos pacientes oncológicos, que tendem a apresentar quadros de insônia devido a fatores psicológicos, como estresse e ansiedade, ou em decorrência de dores e desconfortos ocasionados por determinados tratamentos do câncer, como a quimioterapia

No conteúdo de hoje, nós, do Blog da Medquimheo, explicamos a importância de dormir bem para pacientes em tratamento do câncer, além de compartilharmos dicas para te ajudar a ter noites de sono mais saudáveis. Continue a leitura para conferir!

Veja também: Quais são os riscos do paciente oncológico contrair a Covid-19?

Qual a importância do sono para o paciente oncológico?

Dormir bem durante o período de tratamento do câncer é fundamental, tendo em vista que, sem um descanso adequado, o nível de cortisol – hormônio do estresse- aumenta, o que pode, proporcionalmente, diminuir a contagem das células NK, que são essenciais para ajudar o corpo a lutar contra a doença. Além disso, dormir mal também pode gerar mais dores e desconfortos no paciente oncológico e diminuir o nível de imunidade no organismo, o que também afeta o progresso do tratamento oncológico

Dicas para paciente oncológico dormir melhor

De acordo com publicação do Instituto Vencer o Câncer, algumas atitudes simples, que podem ser adotadas diariamente, são essenciais para ajudar a pessoa com câncer a dormir melhor. Confira a seguir. 

  • 💤 É ideal tirar um cochilo curto durante o dia, que não ultrapasse uma hora, para não comprometer o sono da noite.
  • 💡 Na hora de dormir, mantenha todas as luzes apagadas e evite assistir  televisão ou utilizar celular na cama .
  • ⏰ Tente manter um horário regular de sono: ir para a cama no mesmo horário todas as noites e acordar à mesma hora pela manhã. 
  • 🤸‍♂️ Preencher o dia com atividades prazerosas e fazer exercícios físicos e refeições leves são recomendados para evitar a sonolência durante o dia, além de promoverem o sono à noite. 
  • ☕ Evite tomar café muito próximo do horário de dormir. O mais indicado é que a última xícara do dia seja depois do almoço, pois a cafeína prejudica o sono.
  • 💊 Não faça uso de medicamentos para dormir sem orientação médica.

#DicaMedquimheo: yoga é aliada do paciente oncológico!

Yoga é uma prática que equilibra o físico e o mental com objetivo de promover diversos benefícios para corpo e mente, como menos estresse, alívio da sensação constante de ansiedade, ajuda na redução de dores crônicas, entre outros. Além disso, o yoga pode diminuir a fadiga e melhorar a qualidade do sono em pacientes com câncer.

Recomendamos que converse com seu médico antes de iniciar a prática.

Conheça o Blog da Medquimheo

Aqui, em nosso Blog, sempre encontrará materiais relevantes para mais saúde e qualidade de vida. Confira outros conteúdos que podem ser de seu interesse:

5 dicas sobre o que fazer em casa durante a quarentena

Testes de Covid-19: entenda as diferenças entre os exames!

Fonte: Instituto Vencer o Câncer


colesterol-cancer.jpg

setembro 23, 2021 Câncer0

Adotar hábitos para reduzir o colesterol é benéfico não só para prevenir doenças cardiovasculares, como também é fundamental para reduzir o risco de desenvolvimento de câncer de mama e câncer de intestino. Por ser um fator de risco para o desenvolvimento de tumores, o colesterol alto deve ser controlado por meio de dieta equilibrada e rotina de exercícios físicos, além de consultas regulares a especialistas. 

Para te ajudar a entender melhor a relação entre colesterol alto e câncer, nós, do Blog da Medquimheo, preparamos este conteúdo especial, que também reúne dicas valiosas de como reduzir os níveis de colesterol no organismo. Continue a leitura para conferir. 

Veja também – Falta de vitaminas durante o câncer: entenda qual é a relação 

Qual é a relação entre colesterol alto e câncer?

De acordo com publicação do Instituto Vencer o Câncer, colesterol alto e obesidade podem desencadear alterações celulares que levam ao desenvolvimento de diversos tipos de câncer. Esse processo de formação de tumores ocorre por haver excesso de gordura corporal, o que eleva os níveis de circulação de hormônios, como insulina, estrogênio e fatores de crescimento (IGF-1), e, como consequência,  estimula a produção celular desenfreada e inibe a apoptose – morte celular programada.

Dicas para controlar o colesterol e reduzir o risco de câncer

Ainda de acordo com o Instituto, alguns hábitos podem (e devem!) ser adotados na rotina para combater o colesterol alto e, dessa forma, reduzir os riscos de desenvolvimento de câncer. Confira as dicas a seguir: 

  • Dieta equilibrada

Ter uma dieta equilibrada, rica em fibras, legumes, frutas, verduras e oleaginosas, além de substituir carboidratos por alimentos integrais, é um dos hábitos cruciais para combater o colesterol alto. Também é recomendável evitar consumo de ultraprocessados, bebidas alcoólicas em excesso, doces e frituras. Dê preferência para ingestão de carnes magras e laticínios com níveis reduzidos de gordura.

  • Atividade física

A prática regular de exercícios físicos é fundamental para a saúde do corpo como um todo. Além disso, durante as atividades, há diminuição de LDL – colesterol ruim – e aumento do nível de HDL – colesterol bom, segundo publicação do Hospital do Coração (Hcor)

  • Rastreamento

Além da dieta equilibrada aliada com a prática de atividade física, realizar consultas periódicas é fundamental. Além disso, é recomendável realizar o exame de dosagem de colesterol como estratégia de rastreamento em pacientes em torno de 30 anos com fatores de risco como tabagismo, hipertensão e histórico familiar de doença coronariana. 

Conheça nosso blog 

Nosso blog é repleto de posts para te manter sempre bem informado e atualizado. Aproveite mais conteúdos:

#DicaDaNutri: 3 receitas que ajudam na quimioterapia

Dicas para manter a qualidade de vida e a saúde mental na quarentena 

Fonte: Instituto Vencer o Câncer.


amamentaao-e-cancer.jpg

setembro 22, 2021 CâncerCâncer de mama0

Amamentação é um tema que sempre está em alta, devido a sua importância, tanto para os bebês, quanto para as mães. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), amamentar diminui o risco de câncer de mama, uma vez que, durante o período de aleitamento, as taxas de determinados hormônios que favorecem o desenvolvimento deste tipo de câncer caem no organismo feminino. No entanto, algumas dúvidas são muito recorrentes, principalmente, quando envolvem mulheres que já estão em tratamento do câncer, seja por quimioterapia ou outro processo.  

Para te ajudar a sanar as principais dúvidas acerca da amamentação por pacientes oncológicas, nós, do Blog da Medquimheo, em parceria com nosso mastologista, Dr. Cleverson Gomes do Carmo Junior, preparamos este conteúdo especial. Continue a leitura para conferir. 

Veja também – Semana Mundial da Amamentação: ato pode prevenir câncer de mama

Quem faz quimioterapia pode amamentar?

Durante o período de tratamento do câncer, que pode envolver quimioterapia ou outro procedimento, como a imunoterapia, é imprescindível que a paciente oncológica converse com a equipe médica responsável por seu caso antes de iniciar a amamentação, uma vez que os medicamentos utilizados para tratar o câncer podem se misturar ao leite e, assim, afetar a saúde do bebê. Já caso a mulher seja diagnosticada com algum tumor maligno durante o aleitamento, é preciso buscar um especialista o quanto antes e redobrar os cuidados. 

Mulheres com câncer de mama podem amamentar?

Segundo estudo divulgado na National Library of Medicine, a recomendação mais comum é não amamentar, tendo em vista que boa parte dos medicamentos utilizados para tratar o câncer de mama podem suprimir a lactação, ou ser secretados no leite materno, com efeitos ainda não estudados sobre os bebês. Já para as mulheres que foram curadas do doença, a recomendação é a seguinte:

“Pacientes que retiraram uma das mamas – mastectomia – e têm a outra sem alteração podem amamentar. Já as mamas que foram operadas parcialmente podem apresentar alguma dificuldade na lactação, dependendo do tipo de cirurgia e do local de surgimento do tumor. Por isso, a recomendação é procurar um especialista antes de qualquer decisão.”

-Dr. Cleverson Gomes do Carmo Junior, mastologista da Medquimheo. 

Amamentação diminui chances de leucemia infantil? 

Além de proteger a mãe contra o câncer de mama, a diminuição do risco de desenvolvimento de leucemia infantil também está entre os benefícios da amamentação para a saúde dos bebês. Segundo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Haifa, em Israel, e divulgado no Journal of the American Medical Association (Jama) Pediatrics, o leite materno pode reduzir em até 19% o risco de desenvolvimento da doença. 

Conheça nosso blog!

Aqui em nosso Blog sempre encontrará materiais relevantes para mais saúde e qualidade de vida. Confira outros conteúdos que podem ser de seu interesse:

Quais são os riscos do paciente oncológico contrair a Covid-19?

Qual a importância do hábito de lavar as mãos para a prevenção de doenças?

Fonte: Dr. Cleverson Gomes do Carmo Junior, mastologista da Medquimheo, CRM: ES 8267.


shutterstock_1781278841.jpg

Os riscos para pacientes oncológicos ao se contaminarem com Covid-19 se dão pelas maiores chances de complicações pela doença, visto a baixa imunidade das pessoas que tratam o câncer. Segundo um estudo de meta-análise da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), os riscos de óbitos por Covid-19 em pacientes oncológicos são de 26%, contra 2% a 3% da população geral. Nesse sentido, é fundamental que os pacientes adotem as medidas protetivas, a fim de evitar a contaminação e, consequentemente, dar continuidade ao tratamento oncológico

Para te explicar os principais cuidados que os pacientes oncológicos devem tomar para evitar a infecção pelo coronavírus, nós, do Blog da Medquimheo, produzimos este conteúdo especial. Continue lendo para conferir!

Veja também: Tomei a vacina da Covid-19, e agora?

🩺 Quais cuidados adotar para prevenir a contaminação pela Covid-19?

De acordo com o Instituto Oncoguia o principal cuidado para o paciente oncológico deve ser com o tratamento, que não deve ser interrompido e, qualquer decisão deve ser tomada em conjunto com a equipe médica. Para além do tratamento, é preciso avaliar procedimentos cirúrgicos eletivos e adiá-los, quando possível; imunizar os pacientes com a vacina contra a Covid-19 e implementar precauções pessoais para ajudar no controle da proliferação do vírus.  

Para que os cuidados contra o coronavírus sejam estendidos para o dia a dia do paciente oncológico, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) publicou algumas recomendações.

🏠 Ficar em casa quando não for dia de tratamento; 

🤧 Prevenir-se de contato com pessoas gripadas ou resfriadas quando sair;

💉 Vacinar-se contra a Covid-19;

🧼 Lavar as mãos com frequência e por, pelo menos, 20 segundos;

🤦🏼‍♀️ Evitar levar as mãos ao rosto, principalmente, nos olhos, nariz e boa;

🤧 Cobrir nariz e boca ao tossir ou espirrar;

📏 Manter distância segura das pessoas e evitar aperto de mão, abraços e beijos;

🎒 Evitar compartilhar objetos pessoais como toalhas, garrafas e copos, chaves e celulares;

🧴 Higienizar superfícies tocadas com frequência;

😷 Utilizar sempre a máscara, em locais públicos e com desconhecidos.

Caso apresente qualquer sintoma de Covid-19, é fundamental procurar um médico, para que o rastreamento da infecção seja realizado e o tratamento seja iniciado. Quando possível, opte pelo formato de teleconsulta, para resguardar a sua segurança e do profissional que irá atendê-lo. 

#DicaMedquimheo: vacine-se! Os pacientes oncológicos fazem parte do grupo prioritário para receber os imunizantes contra a Covid-19 e, ao se vacinar, é possível evitar as formas graves da doença e dar continuidade ao tratamento de câncer.

💡 Conheça nosso blog!

Aqui em nosso Blog sempre encontrará materiais relevantes para mais saúde e qualidade de vida. Confira outros conteúdos que podem ser de seu interesse:

5 dicas sobre o que fazer em casa durante a quarentena

Testes de Covid-19: entenda as diferenças entre os exames!

Fonte: Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC).


shutterstock_1966086250.jpg

Os cânceres de cabeça e pescoço atingem tumores da cavidade oral, boca, língua, palato mole e duro, gengivas, bochechas, amígdalas, faringe, laringe, esôfago, tireoide e seios paranasais. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), a doença, que apresenta alta incidência entre os brasileiros, possui sintomas que se confundem com outras patologias, o que pode configurar diagnósticos tardios e diminuir as chances de cura. Por isso, é de extrema importância realizar consultas regulares, a fim de oportunizar o diagnóstico precoce. 

Para te explicar os principais fatores de risco e sintomas do câncer de cabeça e pescoço, nós, do Blog da Medquimheo, produzimos este conteúdo especial. Continue lendo para conferir!

Veja também: Qual a importância das vacinas para a prevenção do câncer?

🔎 Quais são os fatores de risco para cânceres de cabeça e pescoço?

Os fatores de risco para o surgimento de cânceres de cabeça e pescoço englobam, principalmente, tabagismo e consumo excessivo de bebidas alcoólicas, visto que, cerca de 70% dos casos possuem esse dois fatores como causa. Evitar a infecção pelo papilomavírus (HPV) também é uma forma de prevenir a neoplasia, que, segundo a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), acomete, principalmente, a região orofaringe, que engloba a base da língua, as amídalas e a parte lateral e posterior da garganta.

🩺 Quais são os principais sintomas?

Os sintomas do câncer de cabeça e pescoço podem incluir o surgimento de nódulos, feridas que não se cicatrizam, dor de garganta persistente, dificuldades para engolir e respirar, rouquidão por mais de três semanas e alterações repentinas na voz. Outros sinais que podem indicar tumores nessas regiões são:

  • 👄 Cavidade oral: 

Manchas brancas ou vermelhas na gengiva ou na língua; inchaço da mandíbula sem causa aparente e hemorragias ou dores persistentes na boca.

  • 🗣️ Faringe:

Dificuldades para respirar ou falar; dor ao engolir, dor no pescoço ou garganta; enxaquecas frequentes; zumbido nos ouvidos e problemas de audição.

  • 👃🏽 Cavidade nasal:

Canal nasal obstruído; infecções crônicas que não respondem ao tratamento com antibióticos; sangramentos pelo nariz; dores de cabeça frequentes; inchaço nos olhos e dor persistente nos dentes superiores.

  • 👅 Glândulas salivares:

Inchaço sob o queixo ou ao redor do maxilar; dormência e dor dos músculos da face; incômodo no pescoço persistente.

Caso apresente qualquer desses sintomas, é fundamental procurar um médico, para que o rastreamento do possível tumor seja realizado, o que pode implicar na realização de outros exames clínicos e biópsias mais detalhadas. Para isso, durante a consulta, serão analisados históricos clínicos individuais e familiares, além de exames físicos, com avaliações da cabeça e pescoço

“Para evitar os principais fatores de risco, é necessário incluir hábitos saudáveis na rotina e manter o cartão de vacinação atualizado. É importante frisar que alguns tumores costumam ser assintomáticos na fase inicial da doença, por isso é fundamental manter as consultas periódicas em dia, a fim de aumentar as chances de cura”.  

-Dra. Carolina Conopca, oncologista da Medquimhe.

💡 Conheça nosso blog!

Aqui em nosso Blog sempre encontrará materiais relevantes para mais saúde e qualidade de vida. Confira outros conteúdos que podem ser de seu interesse:

Saiba mais sobre o Câncer de Esôfago

Saiba mais sobre o Câncer de Laringe

Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca).


Dia-Mundial-de-Luta-Contra-o-Cancer.png

Em 8 de abril é celebrado o Dia Mundial de Luta Contra o Câncer. A data foi instituída para chamar a atenção sobre a importância da prevenção e diagnóstico precoce da doença. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), um terço das mortes provocadas pelo câncer podem ser evitadas se detectadas em estágio inicial e com acesso aos tratamentos adequados.

Para te mostrar que é possível prevenir o câncer e ter um tratamento com resultados positivos, nós, do Blog da Medquimheo, produzimos este conteúdo especial.

Hábitos que previnem o câncer

Uma pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo (USP) e pela Harvard University, publicada na Revista Científica Cancer Epidemiology, aponta que do total dos casos anuais de câncer, 27% deles seriam evitados e 34% das mortes seriam poupadas, com um estilo de vida mais saudável. Confira hábitos que podem ser adotados:

❌ Evite fumar e consumir bebidas alcóolicas

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o vício aumenta em até 20 vezes o surgimento do câncer de pulmão. Pode contribuir, ainda, para o desenvolvimento do câncer de laringe, faringe, esôfago, bexiga, pâncreas, rim, estômago e intestino. No caso das bebidas alcoólicas, elas podem corroborar para o surgimento do câncer de estômago e intestino.

☀️ Cuidado ao se expor ao sol

É recomendado que a exposição solar aconteça entre 7h e 9h, horários em que a radiação ultravioleta não é prejudicial à pele e auxilia no estímulo à produção de vitamina D. Em contrapartida, a exposição em larga escala ao sol, no intervalo de 10h e 16h, pode acarretar o desenvolvimento de todos os tipos de câncer da pele. Por isso, sempre faça uso do protetor solar com FPS 50, mesmo em dias nublados; use chapéu e óculos de sol.

🍉 Adote uma rotina saudável

rotina-saudavel

Uma rotina saudável deve incluir alimentação balanceada e prática de exercícios físicos. É importante consumir alimentos livres de agrotóxicos e minimamente processados, como frutas, legumes, verduras, laticínios e oleaginosas.

Para que o corpo e a mente estejam em harmonia, é necessário praticar atividades que proporcionem prazer. Aeróbica, ioga, dança, corrida, musculação são exercícios que, junto a uma alimentação saudável, auxiliam na promoção da qualidade de vida e fortalecimento do sistema imunológico. Além de controlar o peso corporal e evitar casos de obesidade, que podem estar ligados ao surgimento do câncer.

💉 Mantenha as vacinas em dia

Alguns tipos de cânceres estão diretamente relacionados a infecções virais que podem ser evitadas pela vacinação, como o câncer uterino e o de fígado. A imunização contra o HPV e Hepatite B são essenciais para a prevenção desses cânceres, visto que auxiliam no desenvolvimento de anticorpos contra os vírus.

🩺 Realize os exames preventivos

Os exames preventivos são ferramentas fundamentais para a detecção precoce do câncer. Aumentam as chances de cura e preservam o bem-estar do paciente durante o tratamento oncológico. É de suma importância se atentar às campanhas nacionais e internacionais que alertam a sociedade para os exames que devem ser feitos. Confira algumas:

📌 É importante lembrar, ainda, que alguns cânceres não têm fatores de risco bem definidos e podem se desenvolver por conta da genética, histórico familiar e desenvolvimentos anormais de células cancerígenas. No entanto, todo cuidado é importante para preservar a saúde e garantir um tratamento mais assertivo.

👨🏻‍⚕️ Tratamento oncológico leve e acolhedor

A nossa campanha intitulada “O câncer tem tratamento e passar por ele pode ser mais leve e acolhedor” carrega a nossa missão: cuidar. Nossa equipe multidisciplinar que inclui oncologistas, nutricionistas, psicólogos e farmacêuticos trabalham com dedicação para proporcionar um tratamento personalizado a todos os pacientes. A luta contra o câncer não é uma batalha fácil mas, nós, da Medquimheo, estamos à disposição para caminhar lado a lado e construir uma rede de apoio para enfrentar este momento.

“A nossa dedicação é para levar o máximo de zelo e carinho aos pacientes. Queremos que eles saibam que não estão sozinhos e estaremos sempre dispostos a ajudar e pôr em prática a nossa missão, que é o cuidado individualizado.”

– Carolina Conopca, oncologista da Medquimheo

Conheça nosso blog!

Aqui no Blog você confere outros conteúdos:

Dia Mundial do Câncer: entenda a campanha

Dia Mundial do Combate ao Câncer: você sabe a importância da data?

Fonte: Instituto Nacional do Câncer (Inca).


campanha-fevereiro-laranja.png

Celebrada anualmente no segundo mês do ano, Fevereiro Laranja é uma campanha nacional que tem como principal objetivo levantar debates sobre a conscientização da leucemia e a doação de medula óssea – opção de tratamento para a doença em alguns casos.

O movimento convida as pessoas a refletirem sobre a empatia e a possibilidade de se voluntariar como doadores. Além de partilhar informações sobre a leucemia, os subtipos da doença, as formas de tratamento e reforçar que a importância do diagnóstico precoce independe da idade. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), quanto mais avançada a idade, maiores são os riscos de complicação da doença. No entanto, em crianças, o tipo linfóide aguda é mais comum e representa 28% dos casos que, se diagnosticados em estágio inicial, apresentam boas chances de cura.

Para te ajudar a entender a importância da campanha e dar dicas de como se tornar um doador de medula óssea, nós, do Blog da Medquimheo, preparamos este conteúdo especial. Leia com atenção e aproveite que o ano está apenas começando para praticar a solidariedade com o outro!

🧬 A Leucemia e os subtipos

Para compreender a leucemia é preciso conhecer o funcionamento da medula óssea, que é um tecido esponjoso que ocupa o centro dos ossos. Um grupo chamado células-tronco hematopoiéticas é responsável pela produção das células sanguíneas e é o local onde o câncer tem início.

A leucemia surge devido ao adoecimento de determinadas células que atrapalham a produção de outras saudáveis na medula óssea. A doença pode ser classificada como aguda ou crônica, que, para os especialistas, descrevem quão rápido (aguda) ou devagar (crônica) a leucemia progride e identifica o tipo de glóbulo branco que está envolvido (mieloide ou linfoide).

– Os principais tipos de leucemia, são:

🩸 Leucemia Mieloida Aguda (LMA);

🩸 Leucemia Mieloide Crônica (LMC);

🩸 Leucemia Linfoide Aguda (LLA);

🩸 Leucemia Linfoide Crônica (LLC).

#DicaMedquimheo: a Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale) publicou manuais informativos, a fim de esclarecer sobre os tipos de leucemia. Confira!

🩺 Fatores de risco e tratamento da Leucemia

De acordo com o Inca, em grande maioria, os pacientes que desenvolvem leucemia não apresentam fatores de risco que possam ser modificados. Entretanto, suspeita-se da associação entre determinados motivos que aumentam a probabilidade do desenvolvimento da doença. Tabagismo, contato com radiação, síndromes hereditárias, histórico familiar, idade avançada e exposição a agrotóxicos são algumas causas estudadas com relação ao surgimento da leucemia.

Após o diagnóstico precoce, que é de suma importância, o tratamento é escolhido a partir da detecção do tipo de leucemia. O processo pode envolver quimioterapias, medicamentos orais e, em alguns casos, o transplante de medula óssea. Como o acompanhamento é feito de forma individualizada, é preciso estar em contato direto com um especialista para que os cuidados sejam iniciados rapidamente e de forma adequada.

💉 Qual foi o impacto da pandemia para a doação de medula óssea?

O Brasil possui o terceiro maior banco de doadores de medula óssea do mundo, com cerca de 4 milhões de voluntários cadastrados no Registro Nacional de Medula Óssea (Redome). No entanto, o período de pandemia afetou diretamente o ato de se voluntariar e doar. Dados da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea (SBTMO) alertam para queda de 30% dos cadastros de doadores no ano de 2020.

📌 Motivos para ser um doador de medula óssea

Nesse cenário, o Redome chama a atenção para a importância de ser um doador de medula óssea. Confira alguns motivos para ser um voluntário desta causa:

💙 O transplante pode beneficiar o tratamento de cerca de 80 doenças em diferentes estágios;

💙 O doador ideal (irmão compatível) está em cerca de apenas 25% das famílias brasileiras, para 75% dos pacientes que necessitam da identificação de um doador alternativo;

💙 Os riscos, na maioria dos transplantes, são poucos. O estado físico do doador é checado anteriormente e por volta de 15 dias, a medula já estará totalmente recuperada.

🧡 Como se tornar um doador de medula óssea?

Para entrar na lista de voluntários para doação de medula óssea é necessário ter entre 18 e 55 anos, estar em bom estado geral de saúde, não ter doença infecciosa ou incapacitante, não apresentar quadro de doença imunológica,  neoplásica (câncer) ou hematológica (do sangue). Caso você não se enquadre em nenhuma dessas situações de impedimento, siga este passo a passo para se voluntariar:

1️⃣ Procure o hemocentro do seu estado e agende uma consulta de esclarecimento sobre a doação de medula óssea;

2️⃣ Assine o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) e preencha uma ficha com informações pessoais;

3️⃣ Será coletada uma quantidade de 10ml de sangue do candidato doador. O material será analisado e testado para identificar características genéticas que serão cruzadas com dados dos pacientes que necessitam de transplantes.

4️⃣ Os dados serão incluídos no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea e quando houver um paciente com possível compatibilidade, o candidato será consultado. Por isso, é importante manter as informações do banco atualizadas.

5️⃣ Caso o candidato opte seguir com o processo, serão realizados exames para confirmar a compatibilidade e o estado de saúde do voluntário.

Seja um doador de medula óssea e ajude a salvar vidas!

Conheça nosso blog!

Nosso blog é repleto de posts para te manter sempre bem informado. Aproveite mais conteúdos:

Anemia pode virar leucemia? Entenda sobre as doenças!

Especialista conta que nem toda mancha roxa significa leucemia

Fonte: Dra. Alessandra Prezotti, hematologista da Medquimheo, CRM ES 6782.