BLOG

Acompanhe dicas de saúde, nutrição e bem-estar em nosso Blog.

campanha novembro azul

novembro-azul-cancer-de-prostata.jpg

novembro 23, 2021 Câncer de próstata0

O câncer de próstata é a forma mais comum da doença entre a população masculina, representando, de acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), 29% dos casos de câncer no país. Diante dessa realidade, em 1999 foi criada a campanha Novembro Azul, movimento que tem como objetivo chamar atenção para a prevenção e detecção precoce do câncer de próstata. Infelizmente, a saúde masculina ainda é vista como um tabu, e, por conta disso, muitos homens deixam de realizar os exames preventivos, que têm grande impacto nas chances de cura da doença. De acordo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica, um atraso de seis a oito meses no diagnóstico já pode fazer diferença para progressão da doença. 

Pensando no seu bem-estar e saúde, nós, do Blog Medquimheo, reunimos neste conteúdo informações importantes sobre o câncer de próstata. Confira!

Veja também – Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata: tudo o que você precisa saber sobre a doença! 

Câncer de próstata: como se prevenir?

Realizar os exames preventivos e ir ao médico dentro de uma frequência saudável é essencial para prevenção do câncer de próstata. Mas, além disso, incluir hábitos saudáveis na rotina também influencia no surgimento da doença. De acordo com Ministério da Saúde, entre os fatores que ajudam na prevenção, estão: 

  • Ter uma alimentação balanceada, com uma dieta rica em verduras, frutas, cereais integrais, grãos e legumes; 

 

  • Manter o peso corporal no limite saudável de acordo com a idade, praticando no mínimo 30 minutos de atividade física por dia; 

 

  • Evitar o consumo de álcool em excesso e não fumar. 

Sintomas do câncer de próstata 

Um dos maiores perigos do câncer de próstata é que ele não apresenta sintomas nas fases iniciais, e, por isso, realizar os exames preventivos é essencial para a detecção precoce da doença e aumentar as chances de cura. Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, alguns dos sintomas mais comuns são: dificuldade na hora de urinar; presença de sangue na urina e a necessidade de urinar mais vezes durante o dia. 

Exames preventivos do câncer de próstata 

Os exames realizados para detecção precoce do câncer de próstata são: 

Exame de PSA: o procedimento consiste na coleta de sangue. O exame mede a quantidade de uma proteína produzida pela próstata, o PSA – Antígeno Prostático Específico. Níveis altos dessa proteína podem significar câncer ou outras doenças benignas da próstata. 

Exame de toque retal: o médico avalia tamanho, forma e textura da próstata, introduzindo o dedo protegido por uma luva lubrificada no reto. Este exame permite palpar as partes posterior e lateral da próstata.

Esses são os exames essenciais para detectar a doença, mas fique tranquilo! São procedimentos seguros e necessários para a sua qualidade de vida. Cuidar de você mesmo jamais deve ser motivo de vergonha. Por isso, faça seus exames regularmente. 😉

Conheça o Blog da Medquimheo

Nosso blog é repleto de posts para te manter sempre bem informado e atualizado. Aproveite mais conteúdos:

Câncer de próstata: exame de prevenção ainda é tabu

Dia do Homem: câncer de próstata é o mais incidente entre os capixabas  

 

Fonte: Ministério da Saúde.


Novembro-Azul.png

novembro 7, 2014 Câncer0
7 de novembro – 2015 

O outubro foi rosa e agora o novembro é azul. Os dois meses marcam a importância da prevenção e combate ao câncer em todo o Brasil. E neste mês é a vez de reforçar as medidas que podem evitar o câncer de próstata. O movimento ‘Novembro Azul’ será de diversos eventos e ações em todo o Brasil. No Espírito Santo, a clínica capixaba Medquimheo segue com decoração especial e brindes para os pacientes. Todos os funcionários também abraçaram esta causa e usarão durante 30 dias camisas polos com a cor da temporada.

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), esse é o segundo tumor mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Quando descoberto nas fases iniciais, a sobrevida pode ser superior a 90%, em cinco anos. Segundo a Dra. Morgana Stelzer Rossi, oncologista da Medquimheo, existem fatores de risco bem estabelecidos para o câncer de próstata: aumento da idade, origem étnica e predisposição genética.
“Sugere-se que uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais ajuda a diminuir o risco de câncer. Nesse sentido, outros hábitos saudáveis também são recomendados, como fazer, no mínimo, 30 minutos diários de atividade física, manter o peso adequado à altura, diminuir o consumo de álcool e não fumar”, orienta.
Ainda de acordo com a oncologista, cerca de 60% dos pacientes são assintomáticos, e a hipótese de um possível câncer de próstata deverá ser levantada diante de um exame de PSA alterado. “Nos casos de câncer de próstata sintomático, o paciente se queixa de dificuldade para urinar, jato urinário fraco e sensação de não esvaziar bem a bexiga. Sangramento na urina também pode acontecer, embora seja menos frequente. O paciente pode manifestar dores ósseas, como sinal de uma doença mais avançada (metástases). Anemia, perda de peso, adenopatias (ínguas) no pescoço e na região inguinal são outras manifestações da doença”, pontua.

Diagnóstico e tratamento

A oncologista explica que para o rastreamento do câncer de próstata, os exames indicados são o toque retal e a dosagem do PSA sérico. Homens acima de 50 anos são candidatos a esses exames, à exceção daqueles com história familiar de câncer de próstata, que deverão realizá-los a partir dos 45 anos.
Para o diagnóstico, é necessário realização de biópsia da próstata, quando o toque retal for suspeito ou quando o PSA total estiver acima de 4,0 ou acima de 2,5 em pacientes jovens (abaixo de 55 anos).
Exames complementares, como Ultrassonografia, Tomografia Computadorizada, Ressonância Magnética e Cintilografia óssea são alguns dos exames que podem ser utilizados para avaliação da extensão de doença e estadiamento.
A escolha do tratamento mais adequado deve ser individualizada e decidida após as definições dos riscos e benefícios do tratamento com o médico.